Full width home advertisement

Post Page Advertisement [Top]

A Síndrome do Pânico (ou Transtorno de Pânico) atinge cerca de 4 % da população, sendo que as mulheres têm de 2 a 3 vezes mais chances de desenvolver o problema. Algumas medidas simples e eficazes podem auxiliar quem sofre do problema. O sintoma principal é uma enorme sensação de medo, pavor, acompanhados de sintomas corporais bastante desagradáveis que incluem batedeira no coração, tremores, aperto no peito ou falta de ar, sensação de irrealidade ou de estar distanciado de si mesmo, tremores, calafrios, sensação de formigamento e medo de morrer. 

Várias doenças orgânicas podem provocar crises de pânico, e é imprescindível realizar avaliação com médico que tenha experiência com esse problema, para assegurar que realmente não há uma enfermidade dando origem às crises de pânico. Um médico psiquiatra reúne as duas condições para realizar um diagnóstico preciso, já que, sendo médico, está habilitado a excluir as doenças que podem gerar crises de pânico, assim como buscar ativamente os sintomas mentais que confirmam o problema e instituir o tratamento adequado, por ser especialista em transtornos emocionais. 

A origem da Síndrome do Pânico ainda é discutida, na verdade depende da junção de vários fatores. Em comum, esses fatores apontam para um desequilíbrio nas regiões do cérebro responsáveis pela reação de alarme que todos nós possuímos. Em outras palavras, o cérebro dá uma mensagem falsa de que existe risco de vida eminente, sem que nada de concreto seja o responsável.

Baseado na compreensão dessa reação de alarme comprometida, é possível adotar algumas medidas que podem ajudar quem sofre do problema. Confira:

1. Não fique muito tempo sem se alimentar. Qualquer pessoa que fique muito tempo sem comer pode passar mal. Mas em quem sofre da Síndrome do Pânico, a baixa de glicose pode desencadear ataques. O ideal é não passar mais que três horas sem se alimentar. O tipo de alimento também conta. O ideal são alimentos de baixo índice glicêmico, ou seja, que não sobem os níveis de açúcar no sangue abruptamente. Trocando em miúdos, evite alimentos como doces, barras de cereais e bebidas isotônicas, de atleta. Já frutas como maçã ou pera, entre outros, não fazem os níveis de açúcar no sangue subir tão rápido.

2. Pare para respirar. Respirar de modo pausado, controlado, é um excelente meio de "avisar" o cérebro que está tudo bem, que não há motivo para alarme. E o método é muito simples. Inspire pelo nariz por uns dois segundos, segure o ar por um segundo, e solte o ar pelo nariz ou pela boca no dobro do tempo que inspirou, neste exemplo por quatro segundos. Para não ter que olhar no relógio, conte os segundos acompanhado da palavra "mil". Portanto inspire contando "um mil, dois mil", segure por um segundo ("um mil") e solte o ar contando "um mil, dois mil, três mil, quatro mil". 

3. Evite cafeína. A cafeína é um excitante, e como o próprio nome diz, pode excitar as áreas do cérebro onde o pânico acontece, facilitando o aparecimento de crises. Bebidas que contém cafeína e devem ser evitadas incluem o café, os chás preto, verde ou mate, refrigerantes a base de cola, além dos alimentos e bebidas energéticas.

4. Aprenda a distrair sua atenção. Boa parte da crise de pânico é gerada pela atenção exagerada aos próprios sintomas. A dica é não ficar observando atentamente os sintomas corporais, o que só aumenta a sensação de pânico. Aprenda a olhar o ambiente ao seu redor, descrevendo em minúcias alguma coisa, como, por exemplo, tudo que está em cima da mesa ou os tipos de carro que estão na rua. No momento da crise essa capacidade de retirar a atenção dos sintomas é um recurso muito valioso, capaz de reduzir bastante a crise.

5. Não acredite em tudo que passa pela sua cabeça. Um dos principais problemas de que sofre da Síndrome do Pânico é tornar uma catástrofe pequenos acontecimentos e sensações do corpo. Aprenda a discutir com você mesmo, perguntando quais são as provas de que essa catástrofe é mesmo real. No caso dos sintomas de pânico, observe que você já teve crises antes, e que nenhuma delas revelou ser uma doença grave realmente acontecendo. Em poucas palavras, aprenda a não confiar automaticamente no primeiro pensamento que vem à cabeça nos momentos de tensão e de crise.

A Síndrome do Pânico pode ser muito bem controlada, possibilitando às pessoas que procuram tratamento especializado mais de 90 % de melhora significativa. Às vezes os bons resultados aparecem em poucas semanas de tratamento, outras vezes levam mais tempo. O fundamental é procurar ajuda especializada.

Bottom Ad [Post Page]